Florianópolis é uma cidade cada vez mais cosmopolita, mas nem só brasileiros vêm se agregando ao contingente que diversificou o perfil da população local. Há muitos estrangeiros morando e estudando na Ilha de Santa Catarina, e isso pode ser visto nas universidades, em atividades como o comércio e a maricultura, nos serviços, nos pequenos negócios individuais e em empresas de todos ramos e portes. Na YPY Sorvetes Premium, não é diferente.

A fábrica tem uma venezuelana, um ucraniano e um haitiano entre seus colaboradores. E cada um tem uma história de vida, uma trajetória que encanta e emociona. É o caso, por exemplo, de Kerling Carolina Caravallo, que saiu da Venezuela no ano passado porque o país enfrentava uma situação calamitosa na política e na economia, com reflexos sérios na rotina da população.

A mãe de Kerling veio antes, se instalou em Cuiabá (MT) e começou a trabalhar numa fábrica de camisetas, até ficar doente. A pior parte da aventura começou quando a família – Kerling, uma irmã de oito anos, dois tios e a avó – decidiu migrar da região de Monagas, a oito horas de Caracas, para o Brasil. “Dormíamos em oito pessoas numa barraca em que cabiam quatro, passamos fome e muito medo na fronteira”, conta ela. O calor do Mato Grosso levou o grupo a se mudar para Florianópolis, onde morou na Casa do Migrante até conseguir alugar uma casa no bairro Bela Vista, em São José.

Kerling mandou um currículo para a YPY, fez a entrevista e foi admitida no mesmo dia. Ela diz que a empresa é muito boa para trabalhar e que o fato de fabricar produtos saudáveis é uma motivação a mais para se sentir bem no emprego. Tirando um episódio de xenofobia que enfrentou numa imobiliária da cidade, afirma que não se sente discriminada, apesar do “portunhol” que usa para se comunicar.

Ela estava quase se formando em Administração Industrial quando saiu da Venezuela, mas garante que depois do que passou está preparada para tudo. Adaptou-se muito bem, assim como a família, ao clima de Florianópolis, ao ambiente de trabalho e às pessoas. “Aqui temos tudo”, diz, comparando a sua situação do momento com as dificuldades enfrentadas pela maioria dos venezuelanos.

DA UCRÂNIA PARA O BRASIL

Mais experiente, com a bagagem de quem já morou em seis países diferentes, o ucraniano Sergii Shaiko se considera “um manezinho importado”. Ele conhece a Grande Florianópolis desde que, em agosto de 2008, seu patrão (também da Ucrânia) instalou uma fábrica de sorvetes em Palhoça. Dois anos depois foi para o Amapá e dali para a Venezuela, onde trabalhou em outra indústria do ramo, a Helados Cali, uma das grandes empresas do segmento no país. Saiu porque a economia venezuelana já começava a dificultar os negócios e o bolívar (moeda local) passou a valer cada vez menos.

Ao voltar para a Ucrânia, em 2013, o país entrou em conflito com a Rússia, e o jeito foi sair outra vez. Formado em Engenharia de Alimentos, com especialização em produtos lácteos, Sergii não teve dificuldades para conseguir o emprego na YPY. Ele diz gostar do trabalho, porque a empresa é muito boa, assim como a cidade. “Aqui não tem a violência de outras capitais do Brasil, e a natureza é muito linda”, afirma.

Sergii mora perto do trabalho, é casado com uma ucraniana e tem um filho de 14 anos. Gosta de praia e faz trilhas, além de ir com frequência ao cinema. “Conheci umas cachoeiras muito bonitas na Ilha”, conta. Filho de pai ucraniano e mãe russa, ele se comunica com os parentes pela internet, o que aplaca “a saudade física, dos abraços”, de seus familiares.

GOSTO PELO TRABALHO E PELA CIDADE

Claudy Sympreux é haitiano e está na YPY há menos tempo, desde outubro de 2018. Formado para dar aulas, foi vítima da crise que reduziu a oferta de trabalho em seu país, deixando muitos recém-formados sem ocupação. Aqui, empregou-se na construção civil, mas a adaptação foi melhor na fábrica de sorvetes. “Gosto muito do trabalho, que é bem tranquilo”, afirma.

Satisfeito com a oportunidade, ele agora quer trazer a mulher, que ainda mora no Haiti. Acredita que ela vai gostar de Florianópolis, porque tem muitas praias, é segura e não discrimina estrangeiros como em outros lugares. “Aqui todos me respeitam”, garante Claudy. Também elogia o clima da cidade, bem menos quente que o do Haiti, enquanto vai tentando entender melhor o português e suas armadilhas. Mora sozinho e gosta de ir para o centro e os balneários, fazer fotos da cidade e das praias. “A cidade é muito bonita”, conclui.

A YPY Sorvetes Premium abriu as portas para receber, com muito carinho, pessoas que fizeram parte da gestação de um de seus principais produtos – o Complemento Alimentar. Como todo produto pioneiro, ele passou por um longo processo de criação, testes e ajustes, e foi nesse período que a fábrica de sorvetes conheceu muitas pessoas importantes, pessoas que mesmo passando por um momento doloroso de cura, abraçaram a ideia de algo que poderia ajudá-los nesta caminhada, e principalmente, poderia dar um pouco de sabor a muitos outros pacientes em tratamento contra o câncer.
Carolina Martins, Marcella Di Pietro e Carlos Alberto Martins emocionaram os colaboradores durante o passeio pelos corredores da YPY. Em meio à fabricação do gelado, o paladar, prejudicado pelo tratamento, esqueceu o amargo e deu lugar ao doce do mundo do sorvete.
Na despedida, além do kit com o Complemento Alimentar em mãos, um sorriso de gratidão e um até logo para desvendar novos sabores. “Essa aproximação com os pacientes nos dá ainda mais energia para aperfeiçoar e criar produtos saudáveis, que além de gostosos, venham a ajudar cada vez mais pessoas”, resumiu emocionado Marcelo Baracuhy, diretor de desenvolvimento de produtos da YPY.

Depois de serem oferecidos aos consumidores das regiões Sul e Sudeste, o Complemento Alimentar e outros produtos da YPY Sorvetes atingiram um novo patamar e chegaram ao Nordeste do país

Na semana passada, a rede Mercadinhos São Luiz, de Fortaleza (CE) colocou nas gôndolas de sete de suas 20 unidades os três sabores do Complemento desenvolvido pela YPY em parceria com o Departamento de Nutrição da Universidade Federal de Santa Catarina para atender pessoas que lidam com os efeitos colaterais da quimioterapia, bem como para quem precisa de alto valor proteico e calórico, como idosos, crianças sem apetite e atletas de alta performance.

Mas como fazer com que um sorvete produzido em Florianópolis viaje por quase 4 mil quilômetros sem perder a consistência e sabor?

Por causa de suas características, os sorvetes requerem cuidados especiais de transporte, uma vez que precisam ser mantidos a uma temperatura média constante de 18 graus negativos. Devido a problemas de conexão aérea em São Paulo, o sorvete levaria 36 horas para chegar lá. A solução encontrada foi fazer o transporte num sistema híbrido. Até São Paulo, ele é levado num caminhão refrigerado. De lá, que tem voo direto, ele embarca para Fortaleza em avião comercial.

De acordo com Rodrigo Bristot, gerente administrativo financeiro da YPY, entrar na maior rede de supermercados do Ceará foi possível porque o São Luiz conta com uma pessoa sediada no Rio de Janeiro – a engenheira Zélia Maria Ramalho, irmã dos sócios proprietários da rede (Severino Neto, presidente, e Fernando Ramalho, diretor) – que seleciona produtos diferenciados do país para colocar à venda no Ceará. Na primeira remessa, que chegou na capital cearense semana passada, foram enviadas 160 caixas do Complemento e dos demais itens, acondicionadas em caixas de isopor de 170 litros, com gelo seco para manter a temperatura baixa.

A YPY é referência em inovação e saúde no segmento de gelados, por não incluir gordura trans e glúten em nenhum dos itens que produz. No verão deste ano, os produtos da marca catarinense chegaram a 1.200 pontos de venda do país. Em Fortaleza, um dos sorvetes da YPY já era oferecido na loja do Hard Rock Café, mas agora os produtos, com maior número de opções e sabores, chegam ao público atendido por uma das mais importantes redes de supermercados do Estado.

Depois de serem oferecidos aos consumidores das regiões sul e sudeste, o complemento alimentar e outros produtos da YPY Sorvetes Premium chegam ao nordeste do país. Na última sexta-feira, dia 3, a rede Supermercadinhos São Luiz, de Fortaleza (CE), colocou nas gôndolas de sete de suas 21 unidades três sabores do complemento desenvolvido em parceria com o Departamento de Nutrição da Universidade Federal de Santa Catarina para atender pessoas que lidam com os efeitos colaterais da quimioterapia, bem como para quem precisa de alto valor proteico e calórico, como idosos, crianças sem apetite e atletas de alta performance.
Na segunda-feira, dia 6, o mesmo vai acontecer com seis sabores dos sorvetes premium produzidos e comercializados pela YPY. Por causa de suas características, esses produtos requerem cuidados especiais de transporte, uma vez que precisam ser mantidos a uma temperatura média constante de 18 graus negativos. Por isso, e devido a problemas de conexão aérea, o sorvete é levado de caminhão refrigerado até São Paulo, de onde embarca para Fortaleza em avião comercial.
De acordo com Rodrigo Bristot, do setor administrativo da YPY, entrar nos Supermercadinhos São Luiz foi possível porque a rede conta com uma pessoa sediada no Rio de Janeiro que seleciona produtos diferenciados para colocar na rede cearense. Na primeira remessa foram enviadas 160 caixas do complemento e dos demais itens, acondicionadas em caixas de isopor de 170 litros, com gelo seco para manter a temperatura baixa.
A YPY é referência em inovação e saúde no segmento de gelados, por não incluir gordura trans e glúten em nenhum dos itens que produz. No verão deste ano, os produtos da marca catarinense chegaram a 1.200 pontos de venda do país. Em Fortaleza, um dos sorvetes da YPY já era oferecido na loja do Hard Rock Café, mas agora os produtos, com maior número de opções e sabores, chegam ao público atendido por uma das mais importantes redes de supermercados do Estado.

A YPY Sorvetes Premium vai participar da festa de Páscoa das crianças e adolescentes do Hospital Infantil Joana de Gusmão, em Florianópolis, nesta quarta-feira (17), às 13h30min. O apoio será na forma de distribuição de brindes e do Complemento Alimentar, sorvete que minimiza os efeitos da quimioterapia em pacientes portadores de câncer, além de ser indicado para pessoas que precisam de alto valor proteico e calórico, como idosos, crianças sem apetite e atletas de alta performance. Também haverá apresentação de um grupo de palhaços que vão cantar e brincar com as crianças e jovens internados.
Esta é a segunda vez que a YPY participa da festa de Páscoa no hospital. Em 2018, foram distribuídas cerca de 150 unidades do Complemento Alimentar, criado em parceria com pesquisadores do Departamento de Nutrição da UFSC. A YPY é referência em inovação e saúde no segmento de gelados, por não incluir gordura trans e glúten em nenhum dos itens que produz.
O Hospital Infantil tem cerca de 130 crianças e adolescentes internados, mas menos de 40 deverão participar da festa, realizada em um ambiente aberto, ao ar livre. “Nem todos terão condições de estar presentes”, informa Alessandro Darabas, da Associação de Voluntários de Saúde do Hospital Infantil (Avos). No evento, as crianças são acompanhadas pelos pais e por profissionais de saúde do hospital.

Alunos do Colégio Farroupilha, um dos mais tradicionais estabelecimentos de ensino de Porto Alegre (RS), participaram de uma degustação dos produtos da YPY Sorvetes na manhã desta segunda-feira, dia 8. Fundado em 1886, o colégio fica no bairro Três Figueiras e tem cerca de 2.500 alunos.Em fevereiro deste ano, a fabricante catarinense lançou o YPY Teen, voltado para crianças e adolescentes em idade escolar, com seis sabores e cuidados especiais com a saúde bucal dos estudantes. O sorvete não tem ingredientes cariogênicos, que favorecem o aparecimento de cáries dentárias.A YPY é referência em inovação e saúde no segmento de gelados, por não incluir gordura trans e glúten em nenhum dos itens que produz e ainda contar com uma linha dedicada a quem tem restrição à lactose. Também fabrica um complemento alimentar destinado a pacientes com câncer que fazem quimioterapia. No caso do YPY Teen, a empresa utilizou o eritritol na composição do sorvete, trazendo um diferencial importante pois é comprovado cientificamente que ele não tem ação cariogênica.

A influenciadora digital, personal trainer e escritora Silu Scheffer, catarinense que mora em Miami (EUA), esteve na YPY Sorvetes para conhecer o Complemento Alimentar, sorvete que minimiza os efeitos da quimioterapia em pacientes portadores de câncer, além de ser indicado para pessoas que precisam de alto valor proteico e calórico, como idosos, crianças sem apetite e atletas de alta performance.

Silu ficou muito feliz em saber que uma empresa de seu Estado oferece um produto que ajuda os pacientes a lidarem com a doença. Por isso, fez questão de vir à fábrica, gravar para o seu canal no Youtube falando do complemento. “Quero mostrar para pessoas que estão passando pelo mesmo problema, que existe um alimento que pode ajudar muito nessa fase tão difícil, e que também é muito gostoso”, afirmou.

Para saber mais sobre o complemento e conhecer história desta catarinense, siga a Silu nas redes sociais: Facebook: Siluandra Scheffer/ Instagram: @silumiami / YouTube: Silu Scheffer


Depois de ser testado e aprovado por pesquisadores do Hospital Universitário da UFSC no ano passado, está chegando ao Hospital Evangélico MacKenzie, de Curitiba o Complemento Alimentar da YPY Sorvetes Premium – indicado para lidar com os efeitos colaterais da quimioterapia, bem como para pessoas que precisam de alto valor proteico e calórico, como idosos, crianças sem apetite e atletas de alta performance. Nesta semana, foi aprovada a venda do produto na Cantina do hospital.
Com mais de 50 anos de relevantes serviços prestados à comunidade paranaense, o Hospital Evangélico tornou-se o maior complexo hospitalar privado do Paraná. Possui 548 leitos, sendo 452 dedicados exclusivamente ao Sistema Único de Saúde (SUS) e 530 médicos credenciados em 36 diferentes especialidades médicas. São 1,5 milhão de atendimentos por ano, sendo 90% do SUS.

Mais uma conquista da YPY Sorvetes Premium, empresa de Florianópolis que é referência em inovação e saúde no segmento de gelados, foi a chegada ao Hard Rock Café, em Fortaleza (CE), que foi inaugurado semana passada. É o primeiro ponto de venda (PDV) dos produtos da marca fora das regiões Sul e Sudeste, que nesta temporada atingiu os 1.200 pontos. O produto da YPY que bombou na casa, que tem cardápio internacional e espaço para exibição de imagens de ícones do rock mundial, foi o sorvete de chocolate. Além de Fortaleza, o Hard Rock Café está também em Curitiba e Gramado e, nos três, é a YPY a fornecedora oficial de sorvetes.

YPY Sorvetes Premium teve um crescimento de 15% nas vendas na temporada de verão em relação ao mesmo período do ano passado. O resultado foi viabilizado pelo aumento de 22% no número de pontos de venda (PDVs), que chegou a 1.200, com destaque para a expansão no norte do Paraná e no interior de São Paulo. O volume de caixas comercializadas cresceu 34% na alta temporada.
O lançamento em fevereiro do YPY Teen, voltado para as escolas, ajudou a alavancar as vendas, além de buscar um público permanente, que são os estudantes. “Este segmento não se submete à sazonalidade que costuma atingir a comercialização de sorvetes”, explica Wagner Tombi, responsável pela área de marketing da empresa. Utilizando açúcar orgânico, ele tem menos calorias e efeitos cariogênicos (que podem causar cáries) reduzidos, entre outras características.
O YPY Teen foi lançado há cerca de um mês e sua margem para expansão de vendas é enorme, em vista do número de estabelecimentos que podem ser alcançados. A empresa também vem testando novos sabores e desenvolvendo um produto específico para diabéticos, com baixo teor de açúcar.
Outra proposta é aumentar o número de pontos de venda em São Paulo, capital, onde há grande demanda pelos produtos da empresa.
A YPY é referência em inovação e saúde no segmento de gelados, por não incluir gordura trans e glúten em nenhum dos itens que produz e ainda contar com uma linha dedicada a quem tem restrição à lactose. Em setembro de 2018, a YPY lançou o Complemento Alimentar, testado e aprovado por pesquisadores da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), que minimiza os efeitos da quimioterapia em pacientes portadores de câncer, além de ser indicado para pessoas que precisam de alto valor proteico e calórico, como idosos, crianças sem apetite e atletas de alta performance.